Artigos

Início > Artigos > Estudo propõe uma nova classificação para reconstrução da pálpebra inferior

Estudo propõe uma nova classificação para reconstrução da pálpebra inferior

Os defeitos da pálpebra inferior são tradicionalmente classificados com base na profundidade e em incrementos de 25% na largura do defeito. Neste artigo, publicado no periódico Plastic and Reconstructive Surgery, em julho de 2019, pesquisadores do Northwestern Memorial Hospital, em Chicago (EUA), propõem um novo sistema de classificação, que inclui o componente de defeito vertical para prever resultados funcionais e estéticos.

Foi realizada uma revisão de pacientes submetidos à reconstrução da pálpebra inferior, atendimento de um único cirurgião. Os defeitos foram classificados em quatro categorias com base no componente vertical:

    1. pré-tarsal
    2. pré-septal
    3. junção pálpebro-malar
    4. complexo pré-tarsal/pré-septal

Foram obtidos os dois valores da distância do reflexo marginal central e lateral, antes e depois da cirurgia. Os desfechos estéticos foram avaliados por três revisores. Os resultados foram comparados a partir de análise de variância unidirecional e análise de covariância para controle da área e largura do defeito.

Trinta e quatro pacientes foram submetidos à reconstrução de defeitos palpebrais inferiores. Havia 12 defeitos pré-tarsais (tipo I), nove defeitos pré-septais (tipo II), nove defeitos da junção pálpebro-malar (tipo III) e quatro defeitos do complexo pré-tarsal/pré-septal (tipo IV).

A retração pós-operatória foi maior no complexo pré-tarsal/pré-septal em 75%, com piores escores estéticos pós-operatórios (p<0,001). Os pacientes do tipo IV tiveram significativamente mais operações de revisão (média de 5,5), em comparação com os outros grupos (p<0,001).

Como conclusão, os autores afirmam que a dimensão vertical dos defeitos palpebrais inferiores é uma variável importante. Um novo sistema de classificação foi proposto neste artigo, que suplementa os métodos baseados na largura para melhorar o planejamento cirúrgico e predizer os resultados pós-operatórios na reconstrução da pálpebra inferior.

Leia mais aqui:
https://journals.lww.com/plasreconsurg/Fulltext/2019/08000/Lower_Eyelid_Reconstruction__A_New_Classification.34.aspx

FONTE: SBCP SP

Veja também